• Carlos Henrique Viana Lima

Jogos para ensinar História

Hoje é 7 de setembro, dia da Independência do Brasil. Uma data que traz todo um simbolismo e que, para muitos estudantes, é a primeira lembrança do ensino de História, ainda nos primeiros anos da educação fundamental. Em homenagem ao Dia da Independência, o nosso segundo post da série "Trabalhando com jogos" será sobre História.


Os jogos de tabuleiro são um prato cheio para estudar e aprender História. Muitos jogos, mesmo que não sejam desenvolvidos com este objetivo, tem um fundo histórico na sua ideia, na sua origem. E quando jogamos, é fácil reconhecer este fundo e imergir ainda mais no tema do jogo. É o caso de Lisboa (reconstrução da cidade após os desastres naturais), Orleáns (desenvolvimento do comércio na França Medieval), Fornalha (início da Revolução Industrial), Giants (época da construção dos Moás na Ilha de Páscoa), Puerto Rico (colonização da América Espanhola), Xingu (desbravamento da Amazônia), dentre muitos outros.


Mas neste post nós vamos apresentar alguns jogos que, durante a partida, os jogadores vivenciam e aprendem sobre algum período da História. Ou seja, os jogos listados aqui vão além de usar a História como pano de fundo: eles usam a História como parte essencial do próprio jogo, como plano principal. Com estes jogos, as aulas de História nunca mais serão as mesmas.

Timeline

De todos os jogos dessa lista, Timeline é disparado o mais fácil de jogar, e nem por isso fica atrás no aspecto conteúdo. Pelo contrário, o jogo é quase uma enciclopédia de datas em forma de jogo de cartas, especialmente se você misturar todas as versões existentes.

Aqui no Brasil já foram publicadas quatro versões - Clássico, Invenções, Eventos Históricos e Brasil. Elas podem ser jogadas separadamente ou misturadas, o que aumenta a dificuldade do jogo.

O objetivo é você ir formando uma linha do tempo com os eventos citados em cada carta. De um lado tem o evento, e do outro tem o ano em que o evento ocorreu. O jogador deve primeiro tentar colocar sua carta no meio das outras já colocadas, no ano certo. Por exemplo, se ele acredita que o evento da sua carta aconteceu em 1830, ele vai procurar na mesa duas cartas com este espaço de tempo no meio delas (por exemplo, 1812 de um lado e 1843 do outro lado). Dá pra perceber que, conforme a linha do tempo na mesa vai aumentando, a dificuldade do jogo também aumenta consideravelmente.

Timeline é um jogo da categoria family game, que são jogos leves com partidas rápidas. Com o aprendizado que este jogo proporciona, é uma das melhores dicas para se jogar em família, desde crianças até os mais velhos. E nas escolas, durante as aulas de História, ele ajuda a fixar na mente dos alunos os anos em que alguns eventos aconteceram.

Twilight Strugle

Saímos de um jogo simples para um jogos dos mais complexos que tem no mercado. Twilight Strugle é não apenas um dos melhores jogos com conteúdo histórico já feito; para alguns jogadores, ele está entre os melhores jogos de tabuleiro existentes no mercado.

E não é para menos. Twilight Strugle mergulha a fundo na História, durante todo o período da Guerra Fria. O jogo se inicia exatamente no fim da Segunda Guerra Mundial e se estende até o colapso da União Soviética, no fim dos anos 80 e início dos anos 90. Cada carta deste jogo é uma mini aula de História. Cada evento retratado no jogo é totalmente fiel aos acontecimentos daquele período.

Twilight Strugle é um jogo para dois jogadores. Um deles representará os Estados Unidos e o outro, a União Soviética. Durante a partida, os jogadores vão usar seus pontos de poder para tentar espalhar sua influência política pelo globo. É interessante a maneira que os desenvolvedores do jogo fizeram com que alguns países sejam mais influenciáveis pelos EUA enquanto outros são mais influenciáveis pela União Soviética. Interessante também que, no início da partida, a União Soviética é bem mais forte que os Estados Unidos, e os eventos lhe são mais favoráveis. Com o decorrer da partida, aos poucos nota-se que os eventos vão ficando mais favoráveis aos EUA e a União Soviética vai enfraquecendo.

A pontuação do jogo é também uma disputa direta. O tabuleiro de pontuação é único, e cada ponto que um jogador ganha significa que o outro jogador perdeu aquele ponto. Ou seja, o marcador de pontos durante a partida também vai de um lado a outro, indicando quem está mais forte naquele momento.

Apesar de ser um jogo demorado, tornando impossível de se jogar durante uma aula na escola, os professores de História podem usar as cartas do jogo como material de ensino e podem marcar um evento fora do horário das aulas, com uma partida completa de Twilight Strugle (ou várias partidas simultâneas) para que seus alunos dominem o período da Guerra Fria como ninguém.

Through The Ages: Uma nova História da Civilização

Este é um dos jogos mais completos quando se trata de história. Through the Ages literalmente viaja através das eras histórias, iniciando na pré-história com as primeiras civilizações (egípcios, hebreus, mesopotâmios) e passando pelas eras seguintes, nas Idades Antiga, Média e Moderna até chegar à Idade Contemporânea e os dias atuais.

Em Through the Ages cada jogador vai desenvolver culturalmente e cientificamente a sua civilização. Para isso, os jogadores usam seus trabalhadores para produzir recursos (alimentos e minério) e com estes recursos, vão construir escolas, templos, teatros, laboratórios e muito mais. Ao mesmo tempo, os jogadores devem desenvolver tecnologias de navegação, construção, irrigação, produção, tecnologia militar, dentre outras.

Durante a partida, cada civilização também pode - e deve - escolher um líder de acordo com a era vigente. No início temos lideres como Moisés, Hamurabi, Julio Cesar. No meio da partida surgem nomes como Napoleão, Leonardo da Vinci, Isaac Newton, Joana d'Arc. Mais próximo do fim temos Tesla, Gandhi, Bill Gates.

Apesar de não ser o foco do jogo, em algum momento uma civilização pode declarar guerra a outra, e até estes eventos são bem temáticos no jogo, pois ao ser alvo de uma guerra, as civilizações podem perder alimentos, recursos, construções. Outro aspecto muito temático é o sistema de governo, que pode ser trocado durante o jogo. Os jogadores podem optar pelo despotismo, monarquia, república e até mesmo fundamentalismo religioso.

Apesar de ser também ser um jogo longo (as partidas podem ultrapassar 7 horas), Through the Ages tem vários personagens e aspectos históricos que o tornam uma dica obrigatória de jogo de tabuleiro que pode ser usado nas escolas.

Brazil: Imperial

Não estranhe o nome do nosso país ser escrito com "Z" na caixa deste jogo. Era assim que se escrevia "Brasil" na época do império, e isso só mostra o quanto esse jogo, de produção nacional, é fiel ao período histórico em que se passa, o Brasil Império.

Brazil: Imperial é um jogo no estilo 4x - explorar, expandir, extrair e exterminar. Isso significa que durante a partida os jogadores terão que explorar o território brasileiro, expandir os domínios do nosso Império, extrair recursos para poder fazer suas ações e ainda combater outros jogadores, em disputa direta por mais territórios e mais domínios.

Brazil: Império pega todo o período histórico do nosso país quando foi governado por seus imperadores. O jogo apresenta vários personagens históricos, como os governantes, políticos e artistas brasileiros. Desta maneira, Brasil: Império é uma das melhores dicas para as aulas de História do Brasil. As pesquisas históricas feitas para desenvolver este jogo estão excelentes, garantindo aos jogadores um jogo incrível e aos professores um material de ensino que vai agradar a todos os alunos e tornar as aulas ainda mais interessantes.

MENÇÃO ESPECIAL:

O JOGO REAL DE UR

O Jogo Real de Ur não está aqui por apresentar eventos históricos, mas decidimos colocar ele nessa lista como uma menção especial por ser um dos jogos de tabuleiro mais antigos que se tem registro.

Ur dos Caldeus é uma cidade mencionada na Bíblia, no período dos patriarcas hebreus (cidade onde viveu Abraão). Esta cidade era localizada na Mesopotâmia e naquela época, nos primórdios das civilizações, as pessoas já se divertiam com jogos de tabuleiro.

O Jogo Real de Ur foi descoberto por arqueólogos e, após pesquisas, algumas empresas publicaram este jogo para dar aos jogadores atuais a sensação de jogar uma relíquia. Aqui no Brasil, O Jogo Real de Ur tem uma versão linda publicada pela editora Mitra. Vale a pena conferir.

Existem muitos outros jogos que usam eventos históricos como tema central. Infelizmente, nem todos foram publicados ainda no Brasil. Jogos como Memoir '44, Virgin Queen e Freedom são exemplos de jogos temáticos de algum período da História, e que podem sim ser usados em sala de aula para ajudar no processo de ensino/aprendizagem, dando um aspecto lúdico às aulas. Neste post, falamos somente sobre jogos já publicados no Brasil.


Gostaram da lista? Sentiram falta de algum jogo? Deixe seus comentários e ajudem a construir os próximos posts. Você que é professor de História e ficou interessado nestes jogos ou ainda em se aprofundar mais no assunto (jogos em sala de aula), entre em contato com a Homo Ludicus (clique aqui para mandar uma mensagem via whats). Nós queremos ver mais e mais jogos fazendo parte do dia a dia das escolas.


Qual a próxima profissão que vocês querem ver na sessão Trabalhando com Jogos do nosso blog? Deixem sugestões nos comentários!!

Este é o Carlos Henrique, o CH.

Esta é a Elaynne.

Os dois, torcendo muito pra que as vacinas cheguem o mais rápido para todos, e que nossas jogatinas possam voltar ao ritmo normal.

Ansiosos pelo quinto jogador que vai chegar na família.

34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo